Como surgem as raças de cachorros e gatos?

0

Como surgem as raças de cachorros e gatos?

Hoje em dia, temos centenas de raças de cachorros e gatos e, frequentemente, ficamos sabendo que uma nova variação “foi inventada”. Pets híbridos (resultantes da mistura de duas raças puras) e sem raça definida (SRD) são maioria no mundo e isso normalmente se deve a cruzamentos mal planejados e/ ou inesperados. Criadores conscientes não permitem que peludos “fora dos padrões” procriem, os vendendo castrados como pets ou até doando esses exemplares. Infelizmente, a realidade da maioria não é essa e alguns “animaizinhos diferentes” acabam sendo reconhecidos como uma raça à parte.

Cães e gatos “puros” são aqueles que seguem os padrões de uma determinada raça reconhecida pelos clubes de cinofilia (no caso dos cães) e de felinofilia (no caso de felinos domésticos). Todos os cachorros que hoje conhecemos possuem como ancestral comum o lobo cinzento (Canis lupus), assim como os gatos têm o gato selvagem (Felis silvestris lybica).

Como surgem as raças de cachorros e gatos?

Assuntos que serão tratados nesse post!:

Seleção artificial dos cachorros

Acredita-se que os lobos cinzentos mais dóceis e que viviam próximos dos humanos foram sendo selecionados por nossos antepassados e consequentemente criados junto a eles. Esses animais foram se adaptando à rotina do homem e, quando apresentavam traços de agressividade ou se mostravam maus protetores ou caçadores, eram “descartados”. Com o tempo, apenas os considerados mais aptos viviam nas aldeias e eram devidamente alimentados. Com comida sempre à disposição, eles se reproduziam e geravam filhotes também dóceis com humanos e, em maioria, com os “genes de bons trabalhadores”.

Na época, lobos eram vistos como auxiliares dos “caçadores-coletores” e, basicamente, tinham como “ofício” manter o local em que viviam limpo (ingerindo restos de alimentos e até fezes) e seguro (alertando sobre perigos e ajudando na caça de alguns animais).

Ao longo dos anos, esses lobos foram mudando tanto suas características que passaram a ser extremamente diferentes dependendo da região em que viviam. Com cruzamentos pensados que selecionavam as melhores aptidões, foram surgindo os cachorros de trabalho (caça, guarda e pastoreio), que posteriormente originaram outras variações, como os de companhia.

Seleção artificial dos gatos

Gatos também fazem parte da vida dos seres humanos há milênios. Eles, que salvaram a Europa da Peste Bubônica (doença transmitida pela pulga de ratos), já sofreram muito nas mãos de nossos antepassados, quando eram vistos como “animais satânicos” e que conviviam com pessoas de índole duvidosa.

Descendentes do gato selvagem, os felinos que hoje temos em casa foram primeiramente selecionados por navegantes que os levavam em viagens com a intenção de proteger os alimentos de ratos e outros animais que pudessem trazer prejuízos.

Com o convívio, gatos mais dóceis passaram a viver dentro das casas, se tornando pets e deixando de lado este que de caçador. Com comida disponível oferecida pelos humanos, eles não viam mais tanto a necessidade de caçar (embora muitos ainda o façam por pura diversão e instinto).

Como surgem as raças

De modo geral, as raças surgem a partir da mistura de outras raças já existentes como parte de testes genéticos que podem ou não dar certo. Acidentes genéticos muitas vezes acabam se tornando uma nova raça, especialmente quando apresentam características diferentes e que possam atingir um certo “público”. Infelizmente, a mistura entre raças (e até dentro de uma mesma raça, com cruzamentos consanguíneos) muitas vezes resulta em problemas comportamentais e de saúde, especialmente quando os criadores buscam certas particularidades que fogem muito do comum para a espécie.

Pode reparar: sempre que lemos sobre o histórico de uma certa raça, notamos o registro de várias outras em sua genética. Alguns tendem a muito se parecer com seus “ancestrais” e outros nem tanto, mostrando o quanto os fatores genéticos são capazes de interagir entre si.

Com o avanço da ciência, é possível atualmente prever certas ocorrências e evitá-las, porém o alto custo deste tipo de recurso acaba tornando inviável sua utilização em grande parte dos casos.

FONTE: PETLOVE

Leia também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.